quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Trisul - cobrança indevida de juros caso de policia


Comprei um imovel do primeiro proprietario, fizemos um documento de cessão em Outubro de 2009, tendo neste documento o valor do saldo deverdor como unico e exclusivo de R$ 88.000,00 e sua data base de 15/10/2009.
Alem deste documento tenho a planilha que comprovam o saldo devedor do antigo proprietario tambem. Até então foi assinado e estipulado estes valores.
Agora eles estão me cobrando um saldo residual de R$ 10.300,00 multa e juros estipulado no contrato anterior, mas estão cobrando desde JUNHO / 2009, com outro saldo devedor tendo esta diferença muito maior do que eu deveria pagar.
Eles alegam que assinei o contrato de cessão fiquei com todas as obrigações do antigo proprietario. E o valor que esta no contrato de cessão ???? Nas planilhas obscuras deles este valor não é mais encontrado. Ninguem chega a nenhuma conclusão isso que haviam dado um chute de me cobrar R$ 8.500,00.
E os atrasos dos documentos, parecem que fazem questão de ATRASAR a documentação, so pra a gente pagar juros. O ultimo documento valido entregue que foi a Matricula quitada, foi entregue somente em DEZEMBRO para se ter uma ideia.
Eu sabia muito bem dos valores de multa 1% ao mes e juros. Porem apartir do saldo devedor de R$ 88.000,00 estipulado no contrato de cessão.
Como estou "preso" com eles por causa do financiamento bancario, fiz o pagamento que eles estipularam, mas estou com as planilhas malucas que eles confeccionam e o recibo que paguei este valor.
Já havia consultado um advogado e entreraei na justiça, porque isso não pode ficar assim, vou em busca dos meus direitos, não podem fazerem o que bem entenderem e ficarem impunes.
Tudo isso que aconteceu foi a mais PURA SACANAGEM que uma empresa possa fazer com um cliente.

Um comentário:

Anônimo disse...

Vanessa, sou corretor de imóveis e até então não sabia do que a Trisul era capaz.Essa cobrança de juros indevida está sendo feita, a despeito do cliente desistir da compra, coisa que parece não abala nem um pouco aos gestores desta fraudulenta empresa.
Será que a promotoria pública não pode intervir, para que o crime não seja feito, e assim os prejudicados não tenham que acionar pedindo ressarcimento????