sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Compre a casa e poupe na conta de luz

Por: Saulo Luz

O consumidor brasileiro já pode escolher o imóvel que gasta menos energia na hora de comprar a casa própria. E para saber isso basta procurar os apartamento ou casas que possuem a Etiqueta Nacional de Conservação de Energia para residências, condomínios e áreas comuns, emitido pela Eletrobrás e pelo Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro).

Assim como acontece como o selo Procel de eficiência energética (usado para indicar o consumo de eletricidade nos eletrodomésticos), a etiqueta define quais são as unidades habitacionais planejadas e construídas para terem uma maior eficiência energética e, consequentemente, ter maior economia na conta de luz.

“Além de economizar, o consumidor reduz o seu impacto ambiental”, diz Marcio Damasceno, técnico envolvido no Programa Brasileiro de Etiquetagem (PBE), responsável pela área de edificações.

A certificação, que é voluntária, foi concebida dentro do Programa Brasileiro de Etiquetagem (PBE) e prevê que moradores de prédios com a etiqueta de eficiência energética possam reduzir de 30% a 40% a conta de luz no fim do mês.

“No ano passado, lançamos a etiqueta para imóveis comerciais e agora, no final de 2010, a marca chegou para os residenciais. Já existem nove unidades com o selo: cinco prédios residenciais em São Paulo e quatro casas no Rio Grande do Sul”, diz Damasceno.

A avaliação das residências considera aspectos como o desempenho térmico de fachadas (coberturas), qualidade de iluminação e ventilação natural e a eficiência do sistema de aquecimento da água – sempre considerando as diversas estações do ano. Além disso, a metodologia de avaliação foi definida a partir de 150 mil simulações, com critérios diferentes cada uma das oito regiões brasileiras com climas variáveis.

Para cada um dos pré-requisitos é dada uma classificação, que vai de “A” a “E’, dependendo dos níveis de eficiência energética verificados. A média ponderada das categorias determina a nota final do prédio, que tem a mesma variação.

No caso de prédios com várias residências, cada unidade de apartamento terá etiqueta individual correspondente ao seu nível de eficiência energética. O condomínio como um todo receberá sua própria etiqueta com o número de unidades por estágio de eficiência e com a mesma variação.

Também serão avaliadas e receberão etiqueta as áreas de uso comum (como corredores, playground, quadras e elevadores). “A etiqueta poderá ficar estampada tanto nas áreas de grande circulação do prédio como na entrada de cada unidade residencial ou apartamento”, diz Damasceno.

Segundo dados da Eletrobrás, no Brasil, as residências são responsáveis por 22% do consumo nacional de energia elétrica. “É bom ressaltar que a etiqueta também pode ser obtida por imóveis antigos – desde que tenham sido planejados com sustentabilidade e a eficiência energética. Mas sabemos que é mais difícil fazer isso depois que a obra já foi construída”, diz Damasceno

Nenhum comentário: