quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Mais um relato - Desrespeito com o Proprietário

É com imensa tristeza que posto mais um relato de um Proprietário que está a espera de um milagre, sim digo isso pois milagre é o dia da entrega, milagre é eles arrumarem as irregularidades, milagre é ser bem atendido, MILAGRE é coisa que a TRI$UL e seus comparsas ainda não aprenderam e nem vão aprender a fazer ou conceder.


Estou adquirindo uma unidade do empreendimento Bem Estar Guarulhos.
Assinei o contrato em junho de 2008 e desde então pago religiosamente minhas parcelas
apesar de muitas em minha opinião terem excedido a correção monetária/reajuste no
período.
O empreendimento tinha data prevista para ser entregue em dezembro de 2010 com um
limite contratual de seis meses, ou seja, até junho de 2011.
A construtora enviou uma carta pelo correio informando da entrega em maio de 2010 e que os clientes deveriam providenciar os recursos para a quitação/financiamento.
Obedientemente e com muita dificuldade, consegui os recursos junto a rede bancária e entrei em contato com a Trisul através do "prestimoso" SAC onde me foi informado que o empreendimento seria entregue e que eu desconsiderasse os valores cobrados como juros na parcela para quitação que constava na área exclusiva de clientes, visto que lá a parcela tinha vencimento em dezembro de 2010 (relembrando... data prevista para a entrega) e que os mesmos não seriam cobrados, obviamente...
Num dado momento do mês, me liga uma atendente informando que tenho uma semana para
agendar minha vistoria num horário das 9 as 15h de 2 a 6 feira. Informo que eu trabalho nesse horário e que seria impossível eu comparecer assim, num prazo tão exíguo, visto que não tenho quem me substitua no trabalho assim, de forma tão imediata. A resposta não poderia ser melhor: "Todos estão conseguindo, o senhor tem que dar um jeito". Fiquei impressionado com o preparo e com a qualidade do atendimento. Fiz minha primeira reclamação formal junto a construtora. Foi-me informado que teria uma resposta em 48 horas. (Até hoje, 11 de agosto,estou aguardando).
Passamos maio, junho, data limite para entrega... começa o inverno e nada. Ligo para o SAC, querendo informações: "Sem previsão para entrega, nem vistorias". Informam que há uma crença, uma coisa de fé pelo que entendi de que o imóvel será entregue em julho. Nada por escrito.
Chegamos a julho. Novamente um atendente entra em contato comigo para agendamento da
vistoria, dizendo que desta vez o imóvel será entregue. Novamente me informam que tenho os mesmos horários para agendamento, porem desta vez consigo um horário para o dia 29 de julho. Mandam-me um e-mail confirmando a data.
Aproveitei a ligação para perguntar dos valores e data para a quitação. A atendente me informa que me enviará as informações por e-mail, mas ela ratifica a informação anterior, de que seria basicamente o mesmo valor que estava na área de clientes do site, sem os juros.
Pergunto então sobre uma multa para a empresa, visto que a entrega já tinha sido atrasada além do previsto no contrato. Com a resposta na ponta da língua ela me diz que não há tal multa prevista em contrato e que em teoria, a construtora pode entregar quando quiser, mas que eu podia ter certeza que estavam trabalhando para que fosse logo. Consternado, quis saber novamente sobre o valor a ser pago e ela então, calmamente, me informa que a parcela será corrigida mensalmente pelo INCC, mas não sofrerá incidência de juros. Penso: me lasquei..., ou melhor, nos lascamos vizinhos...
Abro minha segunda reclamação/chamado.
Chega a data da vistoria técnica... o atendente no prédio me diz: "A sua vistoria não é hoje... o senhor faltou a sua que foi no dia 22." Ele até me mostra seu papelzinho com o cronograma para comprovar. Eu saco meu celular e mostro o e-mail com a data que eu agendei a vistoria.
Após um longo imbróglio, ele diz que vai ver se pode abrir uma exceção e me atender... Fala com o engenheiro e que a contragosto me atende, somente porque o fulano que ele iria atender naquele momento havia faltado à vistoria (será mesmo???).
Bom, na unidade não pude verificar nada da parte elétrica, visto que estava desligada, mas que eu deveria acreditar (mais uma vez.... eles deveriam abrir uma igreja, eu acho) que tudo estava ok, pois já havia sido testado pela construtora (pensei: nossa, eu nem sei pra que tem vistoria, já que eles testam tudo...). Verifiquei contrapiso irregular, porta que não fecha, parede extremamente torta entre outros itens menores. O engenheiro anotou tudo e se comprometeu em corrigir tudo. Eu não assinei aprovando a unidade e, até o momento, ainda esta em aberto uma data para nova vistoria.
Nesse meio tempo, estava tentando fazia vários dias, falar no SAC e sem sucesso. Eu trabalho umas doze horas por dia e rodo uns 110 Km em deslocamento do trabalho a minha residência atual. Não me sobra muito tempo pra ficar no celular ouvindo musiquinha. Mesmo assim, eu fiquei todo o meu tempo livre (ou seja, almoçando e dirigindo) no telefone. Na maioria das vezes não fui atendido e não consegui qualquer informação nova ou concreta sobre os valores e data para quitação. Recebi uma correspondência informando para acessar o site e a área de clientes. Para minha surpresa, ao acessar o que verifico: dois valores diferentes para quitação e ambos maiores que o que constava até julho... bem maiores (uns 8 mil aproximadamente)
Ocorreu então a assembléia de instalação do condomínio no dia 04 de agosto e lá, eu e meus futuros vizinhos, fomos como uma nuvem de gafanhotos sobre os funcionários da TRISUL ao final da mesma. Fiquei lá até ser atendido. O atendente me ouve, diz que entende minha aflição, me passa o e-mail profissional dele e informa que sobre documentação e valores existe somente uma funcionária, mas que ele pessoalmente irá encaminhar minha solicitação a ela.
Pede ainda que eu fique tranquilo, pois toda a documentação estava pronta para ser
encaminhada para mim via e-mail.
Mando o e-mail ao atendente e impressionantemente ele rapidamente encaminha para a
responsável com cópia para mim. Surge até uma animação em mim, pensando que serei
atendido naquele mesmo mês... (visto que ele me deu o famoso prazo de 48 horas para
resposta), porem minha esperança se mostra infundada... lógico que não fui atendido...
Consigo umas folgas no trabalho e penso: agora vou resolver tudo. Após mais de uma hora de tentativas sucessivas no telefone, consigo ser atendido no dia 09 e peço para falar com a responsável. A atendente me diz que ela não pode me atender no momento, mas que eu aguardasse 48 horas para simplesmente poder falar com ela. Pergunto se não posso marcar um horário para atendimento presencial, mas sou informado que somente a responsável pode marcar esse horário e que, portanto eu deveria aguardar o referido prazo.
Abro então um novo chamado cujo prazo já se esgotou hoje, 11 de agosto. Ligo novamente para o SAC e quase chorei de felicidade ao ser atendido após apenas 25 minutos de espera. A atendente de hoje, com um bom humor contagiante, me informa que eu tenho que aguardar.
Ela irá me ligar hoje (ou não). Falo dos outros chamados que abri e que em todos o prazo foi estourado e simplesmente não tive resposta e ela, mais lisa que um sabonete molhado, se esquiva e joga responsabilidades para todos os lados. Ela me diz que eu tenho que entender:"Ela é uma só, você tem que entender. Você tem que aguardar, ela vai entrar em contato.
Vocês clientes querem tudo ao mesmo tempo, deixam tudo pra última hora e agora todos
querem pegar a chave". Após um momento de muda indignação e vontade de xingar (que
consegui controlar), pergunto: "Eu tenho alguma opção, senão aguardar?", resposta: "Não".
Desligo o telefone, impressionado com a falta de respeito da empresa com os seus clientes.
Não há qualquer preocupação na satisfação e atendimento as nossas necessidades.
Infelizmente não tenho como voltar atras e tenho que mais uma vez aguardar. Ainda hoje
entrei em contato com o Procon e com um advogado, infelizmente. O que era para ser um
momento feliz de realização de um sonho torna-se um penoso pesadelo, gerado simplesmente
por uma gestão de péssima qualidade e mesquinharia na contratação e treinamento de mão
de obra qualificada.
Espero que ninguém passe por isso, previna-se e se informe antes de comprar, é o que
recomendo. Não veja apenas o preço, localização, área, informe-se sobre o pós venda,
acredito que é essencial.
Àqueles que leram até aqui, me despeço. Tenho que ir até meu gastro pra reavaliar minha
úlcera agravada pela TRISUL e seu time de craques.
Evoé.
Eduardo R. Oliveira

Nenhum comentário: